Quinta, 02 Dezembro 2021 14:44

Beerhoven ouvia a música que estava tocando por condução óssea.

Escrito por Equipe de Gestão de Mídias Sociais Corpo Informa
Avalie este item
(0 votos)

Depois que Beethoven ficou surdo ele usou a condução óssea para ouvir o som através das vibrações em seu maxilar.

O conceito de condução óssea já existe há muito tempo. Um dos primeiros a adotá-la foi o compositor Ludwig van Beethoven. Beethoven começou a perder a audição aos vinte e seis anos e precisava de uma maneira de ouvir sua música para poder continuar compondo.

Então ele percebeu que colocando a extremidade de uma vareta no piano e a outra ponta entre os dentes, as vibrações do piano viajavam pela haste, passando por seus dentes e crânio até sua cóclea. Isso permitiu a Beethoven ouvir o suficiente para continuar a compor, e algumas de suas maiores obras foram escritas quando ele já tinha uma perda auditiva severa!

A condução óssea é a transmissão do som para o ouvido interno através do maxilar, em vez do tímpano.

Como funciona a condução óssea?
Ouvimos o som de duas maneiras diferentes: através dos tímpanos e através dos ossos
Os humanos normalmente obtêm suas ondas sonoras do ar. A jornada de um som do ar para o seu cérebro é assim:

  • O som atinge seu ouvido externo, que o coleta e o canaliza para o ouvido médio.
  • Seu tímpano capta as vibrações das ondas sonoras e as amplifica.
  • Conectados ao tímpano estão três pequenos ossos, chamados ossículos. Estes enviam as vibrações para uma porção em forma de espiral do ouvido interno chamada cóclea.
  • A cóclea é onde a verdadeira magia acontece: ela converte as vibrações em sinais elétricos – um formato que nosso cérebro pode entender.
  • Esses impulsos nervosos são enviados ao longo do nervo auditivo para o processamento cerebral.

A condução óssea simplesmente pula as três primeiras etapas e vai diretamente para a cóclea. Como as vibrações já estão em seus ossos, elas não passam pelo ouvido externo e médio. No entanto, sua cóclea ainda pode captá-los e convertê-los, enviando uma sequência semelhante (mas não idêntica) de impulsos nervosos. Você pula algumas etapas, mas obtém um resultado bastante semelhante.
O som mais comum que ouvimos predominantemente através da condução óssea é a nossa própria voz! O som da nossa voz é transmitido através do osso da mandíbula para a sua cóclea, ignorando o tímpano, ressonando as partes relevantes com base nas frequências de áudio e, finalmente, terminando como sinais neurais no cérebro.

Os sons transmitidos através do tímpano e os transmitidos por condução óssea tendem a variar um pouco. A implicação mais comum disso é que sua voz soa muito diferente em uma gravação do que quando você fala. A voz gravada está sendo transmitida através da condução aérea, enquanto a última atinge seu cérebro através da condução óssea.

Ler 438 vezes

Leia Também